Quatro dicas para driblar os juros baixos

dicas para driblar os juros baixos

Quatro dicas para driblar os juros baixos

Quatro dicas para driblar os juros baixos 1326 866 SVN Invest

Jhonny Oliveira —

De julho de 2015 até agosto de 2020, a Selic – taxa oficial de juros do País – diminuiu aproximadamente 86%, saindo de 14,25% para 2% ao ano. Essa queda refletiu uma mudança na política econômica proposta pelos últimos governos, com o objetivo de incentivar a atividade do mercado produtivo e estimular o consumo.

Isso repercutiu de maneira direta no rendimento das aplicações. Os investimentos conservadores, que antes pagavam mais de 1% ao mês em juros, passaram a render aproximadamente 0,16%. Trata-se de um retorno que muitas vezes não supera a inflação, resultando em um juro real negativo para o investidor. O que fazer para garantir uma boa rentabilidade nesse cenário?

O conselho é montar uma carteira combinando modalidades de investimentos capazes de ofertar retornos mais equilibrados, rentabilidade, segurança e liquidez.

Confira algumas categorias que atendem a esses critérios:

  1. Renda fixa indexada à inflação: São títulos conservadores que têm a sua rentabilidade formada pela inflação medida pelo IBGE, mais uma taxa prefixada, que gera uma rentabilidade real positiva para o investidor.Nessa categoria podemos encontrar títulos públicos, bancários e títulos de crédito privado. São papéis para serem mantidos na carteira até o vencimento. Por isso, trata-se de uma alternativa para preservar o poder de compra do patrimônio ao longo do tempo com uma maior segurança
  2. Renda fixa com taxa prefixada: é o único investimento no qual é possível saber o rendimento exato do título até o vencimento. Por essa característica, é uma modalidade segura e rentável para compor a carteira de investimentos. Contudo, os prazos e a liquidez desses títulos são longos. A dica é colocar até 10% do patrimônio nessa categoria de remuneração, que está disponível em títulos públicos, bancários e de crédito privado.
  3. Fundos de investimentos: aqui a estratégia de alocação dos ativos será feita por um gestor, que vai decidir quais são os melhores produtos para compor o portfólio com base em regras pré-acordadas, que são diferentes entre os fundos. Há tipos que operam com estratégias conservadoras em renda fixa, moderada em multimercados e arrojadas em renda variável. Avaliar essas estratégias é importante para que o investidor escolha de maneira assertiva onde pode ter os melhores retornos considerando o perfil individual de tolerância ao risco. Antes de adquirir cotas, é importante avaliar igualmente as características dos fundos, como prazo de resgate, taxas de administração e, se houver, de performance.
  4. Ações e Fundos Imobiliários: indicado para investidores com perfil mais arrojado, que buscam ganho de capital ao longo do tempo e estão dispostos a tolerar flutuações negativas em determinados períodos – principalmente no curto prazo. Trata-se de uma estratégia que demanda maior conhecimento e capacidade analítica para tomar decisões no momento de formar o portfólio. Como os preços são bastante sensíveis ás mudanças nos contextos econômico e político do mercado, a dica é não expor mais do que 5% do patrimônio inicialmente nessas classes. Um boa oportunidade de iniciar aportes na Bolsa de Valores são ativos de empresas bem fundamentadas, já consolidadas em seus setores de atuação e que distribuem lucros periodicamente aos investidores. Em relação aos Fundos Imobiliários, algumas categorias permitem ganho de capital à medida que o fundo valoriza e também por meio de pagamento mensal dos dividendos aos cotistas. Outra vantagem é que há isenção de Imposto de Renda para pessoas físicas. As possibilidades de retorno nessa classe são muito significativas, porém os riscos também são consideráveis e não se deve investir recursos que o investidor pode ter necessidade de usar em um horizonte de tempo curto.

Em um momento no qual a Selic atinge patamar mínimo histórico, o ideal é compor uma carteira diversificada entre várias classes de ativos, na qual os percentuais devem ser definidos conforme o perfil de cada investidor. Os critérios preestabelecidos de segurança devem ser igualmente analisados, assim como liquidez e objetivo de retorno. O comportamento da Selic é cíclico, e por isso é preciso estruturar a carteira de investimentos de maneira estratégica para capturar as melhores rentabilidades em meio a esse movimento.

Breve histórico da Selic

A Selic foi criada em 1999 com o objetivo de ser uma de referência para os juros praticados no mercado financeiro. Definida pelo Banco Central a cada 45 dias, ela se tornou instrumento balizador da economia, pois promove estímulos de consumo, com juros mais baixos, e controle da inflação, com juros mais altos.

No ano passado, a postura de diminuição da taxa se intensificou por conta do isolamento social em meio à pandemia, o que impactou todos os setores da economia. Como ferramenta para fomentar a atividade nesse cenário adverso, o Banco Central reduziu os juros com o intuito de amenizar custos de crédito e compensar o baixo nível de atividade econômica.

Novo rumo para os juros

Hoje em 2,75% ao ano, a Selic deve seguir aumentando. A expectativa do mercado financeiro em meados de março era que a taxa básica de juros encerrasse o ano em 3,75%, enquanto a expectativa para a inflação oficial, medida pelo IPCA, estava em 4,60% para o fim de 2021. O percentual consta no boletim Focus (edição de 15/03), pesquisa divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC), que reúne a projeção para os principais indicadores econômicos.

Um importante fator que contribui para a expectativa do aumento de inflação e, como consequência da Selic, é a alta do dólar. A moeda americana sobe mais de 7% em 2021 e reflete na alta dos preços da cesta de produtos que forma o IPCA.

Como o cenário muda constantemente, o investidor deve estar sempre atualizado para avaliar potenciais mudanças na sua carteira de ativos com o objetivo de angariar a melhor rentabilidade.