O que é agência de classificação de risco? 

25 de janeiro de 2022 AssessoriaInvestimentos Básico

  • SVN Invest
  • SVN Invest

    Editor

O que é agência de classificação de risco? 

Alessandra Taraborelli –

Provavelmente, você já deve ter ouvido falar em agência de classificação de risco. Mas você sabe o que elas fazem? A agência de classificação de risco ou agência de rating avalia empresas, bancos e o governo sobre a capacidade deles honrarem seus compromissos. Essa avaliação se traduz em uma uma nota – o chamado rating –  que serve como referência para o investidor ao decidir investir em um banco, empresa, títulos do governo e títulos de empresas (debêntures).  

A primeira agência de risco foi a Moody’s, criada em 1909, por John Moody, e até hoje ela é considerada uma das maiores do mundo. Além dela, as outras duas agências mais importantes são a Standard & Poor’s (S&P) e a Fitch. Estima-se que juntas as três agências tenham 95% do mercado de análise de risco do mundo.

Como funciona o rating?

As agências de classificação de risco fazem uma análise detalhada dos números da empresa para definir o rating. Entre os critérios considerados estão: 

– análise de balanços;

– fluxo de caixas;

– nível de endividamento por período;

– nível técnico dos executivos da empresa;

– capacidade de mitigar riscos;

– análise do setor de atuação;

– análise de fatores internos e externos que possam influenciar o desempenho da empresa;

– questões jurídicas que a empresa possa estar exposta; etc

A partir deste levantamento,  a agência determina o rating. Quanto maior o rating, menor a chance de calote, ou seja, é um investimento mais seguro. E, quanto menor a nota, maior o risco. Vale ressaltar que as notas não são padronizadas, ou seja, cada agência tem a sua própria escala de risco. 

Qual o papel das agências de classificação de risco?

As agências de classificação de risco são independentes, ou seja, não têm vínculo com empresas e nem com governos. Assim, elas são consideradas isentas e os investidores, principalmente os grandes, sempre levam em consideração as notas dadas por essas agências antes de decidirem sobre onde e quanto investir. 

Por outro lado, as agências também acabam contribuindo com empresas que precisam convencer grandes investidores a aportarem recursos em seu negócio. Existem grandes fundos de investimentos que só podem alocar recursos em empresas ou países que tenham notas altas, ou seja, com risco baixíssimo de um calote. 

No dia 30 de novembro deste ano, a agência de classificação de risco S&P reafirmou o rating em moeda estrangeira do Brasil em BB-. Isso significa que a agência acredita que o governo estabilizará gradualmente o crescimento da dívida pública.

Em nota divulgada à imprensa, a agência afirma que o Brasil se recuperou mais rápido do que o esperado da crise do Covid-19, mas que a perspectiva de crescimento do País ainda é moderada. 

Para que serve o rating?  

Ao levar em consideração o rating de um ativo, o investidor consegue avaliar a relação entre o risco e o retorno esperado na aplicação. Você pode estar se perguntando: mas as agências de risco são confiáveis? A resposta é sim. Primeiro, porque as três mais importantes agências estão no mercado há mais de 100 anos e têm credibilidade. Segundo, porque se elas não fizerem uma avaliação confiável e imparcial elas perdem essa credibilidade adquirida por mais de um século.

Isso não significa que as agências não errem, pelo contrário, elas também estão sujeitas a erro. Mas, quando isso ocorre, geralmente, essas agências refazem suas avaliações e explicam os motivos que levaram a uma avaliação incorreta.

 Tabela: Notas usadas pelas agências

Grau de investimento

– mais alta qualidade (AAA);

– muito alta qualidade (AA+, AA, AA-);

– alta qualidade (A+, A, A-);

– boa qualidade (BBB+, BBB, BBB-).

Grau especulativo

– qualidade especulativa (BB+, BB, BB-);

– qualidade altamente especulativa (B+, B, B-);

– risco substancial (CCC);

– risco muito alto (CC);

– inadimplência iminente (C);

– inadimplência restrita (RD);

– inadimplência (D).

O que é grau de investimento e grau especulativo?

Grau de investimento é a nota dada pela agência de classificação de risco para uma empresa ou governo que mostra que ela tem boas condições para receber investimentos. Ou seja, que tem capacidade para honrar suas dívidas e que as chances de calote são mínimas. 

Já o grau especulativo é quando há risco de calote. Neste caso, se o investidor decidir investir em uma empresa com esta nota significa que a remuneração exigida será muito maior. Quanto maior o risco, maior a taxa de retorno. 

Vale lembrar, que existem investidores com perfil mais conservador, portanto, preferem investimento com menos risco, e outros que preferem pagar um pouco mais e arriscar um retorno maior. E no mercado é possível encontrar aplicações para todos os gostos e bolsos.